Categorias

Apresentações - Carga Viva

CARGA VIVA

Nesse mês de outubro o ERRO realiza na Grande Florianópolis a temporada de apresentações de CARGA VIVA. As apresentações pelo Projeto Manutenção do ERRO acontecerão em Santo Amaro da Imperatriz, Biguaçu e no Centro da capital catarinense.

TEMPORADA DE CARGA VIVA

O ERRO Grupo volta às ruas da Grande Florianópolis com seis apresentações de Carga Viva a partir do dia 08 de outubro. A temporada, que faz parte do projeto Manutenção do ERRO, ocorre no dia 08, na Praça Ivo Silveira em Santo Amaro da Imperatriz, no dia 11, na Praça Nereu Ramos em Biguaçu, ambas às 11h30, e 13, 15, 17 e 20 sempre às 12h, na esquina da Rua Deodoro com a Rua Conselheiro Mafra no centro da capital catarinense. As apresentações são gratuitas e em caso de chuva serão transferidas – confira o serviço completo no final do texto.

O projeto Manutenção do ERRO foi selecionado pelo Programa Petrobras Cultural e vem sendo desenvolvido com patrocínio da Petrobras, via Lei Rouanet do Ministério da Cultura – MinC, desde outubro de 2010 e terá seu término em novembro de 2012.

Carga Viva (2002) foi criado a partir da necessidade do ERRO em sua pesquisa em ampliar a comunicação artística por meio de uma encenação clara e direta. A dramaturgia de Carga Viva é construída através da intertextualidade de O Rinoceronte de Eugene Ionesco e Dores do Mundo de Arthur Schopenhauer, e marca o início de uma pesquisa do ERRO Grupo sobre a violência corporal e a abdicação de um eixo permanente do público, a roda (arena), como estratégias de invasão e ocupação do espaço urbano.

Florianópolis - 2002

Picture 1 of 9

Foto Ana Paula Cardozo

Inspirado no Construtivismo (movimento que rejeita a ideia da arte pela arte a favor de uma arte direta e impactante), Carga Viva tem como mote as problemáticas relativas ao trabalho, a alienação e a loucura a partir de parâmetros de normalidade e anormalidade socialmente definidos. Desta forma, a ação cênica propõe não apenas um encontro entre atores e público, mas um diálogo reflexivo entre estes.

O encontro, o diálogo e a reflexão incitados pela ação são favorecidos pela utilização da rua como espaço cênico, já que este é um espaço privilegiado para a ação política, que agrega, em um mesmo local, diferentes grupos sociais onde inúmeras fronteiras simbólicas se cruzam, se confrontam e convivem.

Ao utilizar-se poeticamente de signos tecnicistas – que mais do que senso comum douto, são vivenciados de modo cada vez mais complexo e intenso nas atuais relações entre pessoas e indústrias – Carga Viva verticaliza questões sobre padrões de uma era hiper-industrial, onde corpos ou são massificados e/ou segregados.

A temporada de Carga Viva para o projeto Manutenção do ERRO possibilita ao grupo retornar aos caminhos que a obra percorre sejam em similaridades e contradições com as direções de pesquisa que o ERRO tomou ao longo desses anos, tanto no aspecto dramatúrgico, na exploração da rua pelos atores/performers, assim como sua diluição no espaço urbano e seus níveis de representação.

Serviço

O quê: Carga Viva, espetáculo de rua do ERRO Grupo de Florianópolis – SC.
Onde: dia 08, na Praça Ivo Silveira em Santo Amaro da Imperatriz, no dia 11, na Praça Nereu Ramos em Biguaçu e nos dias 13, 15, 17 e 20 na esquina da Rua Deodoro com a Rua Conselheiro Mafra – Florianópolis.
Quando: 08 e 11 de outubro às 11h30 e dias 13, 15, 17 e 20 de outubro às 12h, na esquina da Rua Deodoro com a Rua Conselheiro Mafra no centro da capital catarinense
Preço: Gratuito

Ficha Técnica – Carga Viva – ERRO Grupo

Direção Geral: Pedro Bennaton
Dramaturgia: Luana Raiter e Pedro Bennaton
Atores: Luana Raiter, Luiz Henrique Cudo, Julia Oliveira e Michel Marques.
Direção de arte: Luana Raiter
Criação e Produção: ERRO Grupo

 

Sobre o ERRO Grupo

O ERRO Grupo nasceu no ano de 2001, em Florianópolis SC – Brasil, a partir do objetivo de seus integrantes em experimentar a arte como intervenção no cotidiano das pessoas e sua interdisciplinaridade de conceitos e áreas de linguagem. O grupo, através da construção de situações, pesquisa a união das linguagens artísticas, o performer, a invasão do espaço público e a diluição da arte no cotidiano. Nessa prática situacional, o ERRO interfere nos fluxos cotidianos, nas paisagens urbanas e nos meios de comunicação.

 

Sobre o Projeto Manutenção do ERRO

ERRO Grupo, através do Programa Petrobras Cultural, iniciou o projeto Manutenção do ERRO, em outubro de 2010 e o desenvolverá até novembro de 2012, nas cidades de Florianópolis e região, Porto Alegre e São Paulo. O objetivo do Petrobras Cultural é contemplar grupos de teatro dedicados à produção cênica contemporânea, com o patrocínio às ações continuadas de pesquisa, produção e difusão de seus trabalhos.

O projeto Manutenção do ERRO é dividido em duas etapas ao longo destes dois anos. A primeira delas que está acontecendo em Florianópolis e região desde o ano passado através das temporadas de apresentações que o ERRO realizou dos espetáculos do repertório do grupo: Adelaide Fontana, Buzkashi, Escaparate, Desvio, assim como das oficinas Aberta ao ERRO, realizadas em 2010 e 2011, a oficina com o diretor argentino Emílio Garcia Wehbi, realizada em fevereiro deste ano, o intercâmbio artístico do ERRO com o Grupo Empreza/GO realizado em julho, e que se complementará ainda nesse ano com as temporadas de Carga Viva e Enfim um Líder, totalizando 33 apresentações em um ano e mais uma oficina ministrada por um relevante profissional do teatro.

A segunda etapa consiste na criação de um trabalho inédito de intervenção urbana, que contará com três temporadas em um total de 22 apresentações – quatro em São Paulo e em Porto Alegre e outras 14 em Florianópolis e região. Este novo projeto cênico dará continuidade à investigação desenvolvida pelo grupo sobre a prática do jogo na sociedade contemporânea assim como sobre a mobilidade da cena pelo espaço urbano.