Obra

Adelaide Fontana

A radialista Adelaide Fontana é demitida após 25 anos de trabalho e resolve, em seu último programa, dizer tudo o que não pode aos seus ouvintes, corrigir mentiras que teve que contar e finalmente ser ela mesma.

You need to install or upgrade Flash Player to view this content, install or upgrade by clicking here.
Emcena Catarina – Sesc / SC
Florianópolis – Julho de

O texto é um trecho adaptado pelo dramaturgo catarinense, Christiano Scheiner, da obra A rainha do rádio, de José Saffioti Filho. Adelaide Fontana que vem sendo apresentado ao público, desde 2001, foi inicialmente construído, sob direção de Márcia Nunes, para salas. Em 2002, Pedro Bennaton assumiu a direção, transformando o espaço cênico, deslocando a cena para dentro de uma vitrine, fechada a princípio, mas aberta para um mundo imenso: a rua. Com o objetivo de interferir no cenário urbano e questionar a arte no séc. XXI, que segue uma lógica de mercado, o espetáculo cria uma metamorfose de um ícone do consumo, representado pela vitrine, e pelo período da performance, quebra as relações entre arte e produto.

“Que foi? Não posso falar? Estou proibida de falar!?… Eu só posso falar o que a cidade pode ouvir, mas eu tenho muito mais pra falar!… Que mais?”

A reutilização do espaço provoca uma metamorfose do objeto comercial da vitrine, que demonstra uma mudança que não se dá apenas no uso desta, mas na exposição que torna cúmplice quem adere ao ato de assistir, pois não precisa comprar nada, apenas ver, dialogar e sentir.

Adelaide Fontana - Austin TX - 2007
Dabid de Lara
Imagem 1 de 23
You need to install or upgrade Flash Player to view this content, install or upgrade by clicking here.
Austin – Texas
Entrevista na rádio

O espetáculo Adelaide Fontana desde sua estréia percorreu diversas vitrines de Santa Catarina, entre elas Florianópolis, São José, Blumenau, Joinville, Rio do Sul, Criciúma, Concórdia, Lages, Xanxerê, Chapecó, Laguna, Tubarão, Jaraguá do Sul, Brusque, Itajaí. Nacionalmente o espetáculo percorreu Crato/CE, Curitiba/PR, Porto União/PR, Brasília/DF, Salvador/BA, Maceió/AL, Aracajú/SE, Macapá/AP, Boa Vista/RR e Rio Branco/AC. Em 2005, o espetáculo foi convidado a participar do Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto/SP, fazendo três apresentações em vitrine do centro da cidade. O espetáculo em seus cinco anos de existência participou de diversos projetos e festivais entre eles o X Festival Nacional de Teatro Isnard Azevedo em 11/2001, o V Fazendo Gênero, Congresso Internacional na UFSC em 10/2002, o X Festival de Teatro de Curitiba, o projeto EMCENACATARINA do SESC/SC realizando uma turnê estadual, V Mostra Nacional de Teatro do Crato/CE, e o Projeto Palco Giratório do SESC Nacional realizando uma turnê pelo Brasil. Participou como espetáculo convidado do festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto 2005 em São Paulo e Abril e Maio de 2007 realizou uma temporada em Austin, Texas – EUA, na vitrine da Galeria La Peña na Congress Avenue, com apresentações em inglês e espanhol.

Ficha Técnica
Atriz: Luana Raiter.
Autor: Christiano Scheiner (inspirado em: “A Rainha do Rádio” de José Saffioti Filho)
Operador de Som: Michel Marques
Figurino: Paulo Vegno e Gláucia Grígolo
Direção: Pedro Bennaton e Márcia Nunes