Obra

Formas de Brincar

O corpo, como sustenta Foucault, é um lugar prático e direto de controle social, em a História da Sexualidade, o filósofo salienta que por meio da organização e regulamentação do tempo, espaço e dos movimentos de nossas vidas cotidianas, nossos corpos são treinados, moldados e marcados pelo cunho das formas históricas predominantes de individualidade, desejo, masculinidade e feminilidade, tornando-se corpos dóceis cujas forças e energias estão habituadas ao controle externo.

A temporada de Formas de Brincar, contemplado pelo Prêmio Elisabete Anderle 2009 (Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura da Fundação Catarinense de Cultura), ocorreu em três locais de Florianópolis entre os meses de setembro e outubro de 2010. A peça estreou no dia 21/09 (terça-feira), no calçadão da Felipe Schmidt (em frente à loja Plumas e Paetês, no. 324), se apresentou nesse mesmo local nos dias 23, 24, 28/09, 04 e 07/10 sempre ao meio-dia (12:00 h.) e circularou por outros três locais da cidade, nos dias 29/09 e 01/10 no calçadão da Rua João Pinto (na esquina com a Travessa Ratcliff) e na Lagoa da Conceição no dia 02/10 (diante do Shopping Via Lagoa) sempre ao meio-dia.

Formas de Brincar é resultado da pesquisa do ERRO acerca do jogo como impulsionador de ações cênicas que, neste trabalho, tem como foco o jogo tradicional e popular das Cinco Marias sob a ótica do sistema de objetos e a reificação do corpo como mero objeto estético. Através de sua linguagem híbrida, oriunda do teatro e da performance, o grupo se propõe, em Formas de Brincar, à apropriação de jogos populares e à reflexão a partir da relação entre corpo e o objeto pelas perspectivas de filósofos como J. Huizinga, J. Baudrillard e M. Foucault.

Luana Raiter em jogo de aparências - Ensaio geral - Fpolis - 2010
Júlia Amaral
Imagem 1 de 10

O corpo, como sustenta Foucault, é um lugar prático e direto de controle social, em a História da Sexualidade, o filósofo salienta que por meio da organização e regulamentação do tempo, espaço e dos movimentos de nossas vidas cotidianas, nossos corpos são treinados, moldados e marcados pelo cunho das formas históricas predominantes de individualidade, desejo, masculinidade e feminilidade, tornando-se corpos dóceis cujas forças e energias estão habituadas ao controle externo. Formas de Brincar trata da objetificação estética e disciplinadora do corpo humano, explorando a rua como campo de um jogo específico e, por conseqüência, influenciado por uma série de outros jogos populares.

You need to install or upgrade Flash Player to view this content, install or upgrade by clicking here.

Nossos corpos possuem as imagens que expõem nossa fusão e fronteira com os objetos. Vítimas de estereótipos, imagens dominantes, modelos de um papel, ao retraírem suas individualidades, os corpos fortalecem as correntes que buscam a produção, a massificação e a sedução do consumo. Na sociedade contemporânea sucumbimos à sedução das atitudes emprestadas, em uma não-autenticidade, em fragmentos de posturas escolhidas, quase inconscientemente, dentro de uma gama de estereótipos dominantes. A representatividade do jogo das Cinco Marias unificada a uma discussão sobre o corpo feminino como objeto na sociedade em pleno espaço social, é um terreno fértil para a criação artística, política e social.

“Dóceis precisam aprender: não lute com a comida, demonstrando esforço ao cortar ou erguendo muito…”

Um dos focos de pesquisa do ERRO Grupo, desde sua formação, é a construção de situações que exploram o jogo como possibilidade de ação, em 2003, o grupo realizou a intervenção urbana, Buzkashi, em 2006, Desvio. Formas de Brincar é a continuidade de um dos focos de pesquisa do grupo – a intersecção da arte ao cotidiano, pensada através dos jogos que permeiam o ambiente urbano – em uma ação que funde artes cênicas e artes plásticas em intervenção urbana.

You need to install or upgrade Flash Player to view this content, install or upgrade by clicking here.
Composição musical para Formas de Brincar
Isaac Varzim

Ficha Técnica
Concepção e Dramaturgia: Luana Raiter e Pedro Bennaton
Direção: Pedro Bennaton
Direção de arte: Júlia Amaral e Luana Raiter
Atrizes: Ana Paula Cardozo, Luana Raiter e Paula Felitto
Performers: Juarez Nunes e Rodrigo Sember
Sonoplastia: Isaac Varzim
Design Gráfico: Luana Raiter
Fotos: Júlia Amaral
Assessoria de imprensa: Ana Letícia da Rosa
Site: Obra Tecnologia
Serviços Contábeis: VS Contabilidade
Cenotécnica: Rodrigo Sember
Produção: Júlia Amaral, Luana Raiter e Rodrigo Sember.
Criação: ERRO Grupo